História do Flamenco

O Flamenco é na verdade  uma belissima expressão artística que nasceu desde então da mistura de muitas culturas: a árabe, a judía e os ciganos (que chegaram à Espanha no século XV na região de  Andaluzía). E foi  com a cultura andaluza que ali se estabeleceu.

Desse calderão de várias culturas, que assim se deu em Andaluzía o nascimento do Flamenco.
O berço do flamenco foi em Andaluzia. Ali começou a se desenvolver essa arte que, com passar do tempo, se estabelecu, se tornando mais tarde  numa manifestação artística universal.

Está claro onde nasceu, acontece um problema se queremos realmente saber quando nasceu, porque não está claro e não podemos dizer em que ano exato que tudo começou, foi desenvolvendo pouco a pouco com todas essas mesclas de culturas e faz aproximadamente dois séculos é quando se inicia a expressar como o conhecemos hoje em dia.

Podemos dizer que o flamenco é um estilo musical novo, porque dois séculos é pouco tempo dentro da historia da música. Mesmo que tenhamos noticias documentadas, desde o ano  de 1770, nas quais  que contam que se celebravam algumas eestas y celebrações nasas que os ciganos  se exibiam em bailes e cantos que foram os antecedentes do flamenco que hoje conhemos.

Canto

 

De acordo com o dicionário da RAE( Real Academia Espanhola), o “cante jondo” é “a canção andaluza mais genuína do sentimento profundo”.
Este dicionário coleta como equivalente as locuções “cante jondo” ou “cante profundo”, o que garante que o termo “jondo” não seja mais do que a forma dialectal andaluza da palavra “hondo”, com sua aspiração característica da h proveniente de inicial.
No entanto, Maximus Jose Kahn continuou a argumentar que o termo “jondo” vem da locução hebraica “jom-tob” ou “yom-tob”, o fim de algumas sinagogas.

De acordo com García Matos e Hipólito Rossy, nem todos os canções de flamenco são cante jondo.
Manuel de Falla considerou que o cante jondo era o antigo cante, enquanto o cante de flamenco era o moderno.

Chama-se “cante” a “ação ou efeito de cantar qualquer canção andaluza”, definindo “cante de flamenco” como “canção andaluza agitada” e cante jondo como “a canção andaluza mais genuína, sentimento profundo”.

O intérprete do cante do flamenco é chamado cantaor em vez de cantor, com a perda da característica intervocálica do dialeto andaluz.

O fandango, que no século XVII foi a canção e a dança mais difundidas em toda a Espanha, eventualmente gerou variantes locais e de condados, especialmente na província de Huelva.
Na Alta Andaluzia e nas áreas vizinhas, os fandangos foram acompanhados pelo bandola, um instrumento com o qual foi acompanhado por um ritmo regular que permitiu a dança e cujo nome deriva o estilo “abandolao”.

Toque

 

A postura e a técnica dos guitarristas flamencos, chamados de tocaores, difere da usada pelos intérpretes de guitarra clássica.

Enquanto o guitarrista clássico  apoia a guitarra sobre sua perna esquerda de forma inclinada, o guitarrista flamenco costuma cruzar as pernas e apoiá-la sobre a que se encontra mais elevada, colocando o mástil numa posição quasm horizontal con respecto o solo.

O uso do polegar também é característico no toque flamenco.
Os guitarristas apoiam o polegar no topo da guitarra e o dedo indicador e meio em cima da corda que estão jogando, conseguindo maior poder e sonoridade do que o guitarrista clássico.

Ele também suporta o dedo médio no kicker da guitarra para obter mais precisão e força quando se trata de pressionar a corda. Também o uso do perfurador como elemento de percussão dá grande força à interpretação do guitarrista flamenco.

É chamado de “falsta” para a frase melódica ou floreo que é intercalado entre as seqüências de acordes destinadas a acompanhar o casal. Também é falado para tocar ou acompanhar por cima (usando a digitação da corda maior) e por meio (o principal), independentemente de ter sido ou não transportado com a porca.

 

 

Deixe uma resposta